Duas das quatro pessoas contagiadas no surto de covid-19 de Mora que se encontravam internadas nos cuidados intensivos (UCI) passaram para a enfermaria, disse hoje à Lusa o presidente da Câmara Municipal, Luís Simão.
Ainda assim, mantêm-se na UCI do Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) outras duas pessoas e o número de internamentos naquele estabelecimento relacionados com este surto subiu para seis, após a entrada de mais uma pessoa nas últimas 24 horas.
A informação foi recolhida pelo autarca do concelho pertencente ao distrito de Évora, num dia em que as autoridades de saúde locais não receberam, até às 16:00, quaisquer resultados de testes efetuados à comunidade nos últimos dias, de acordo com Luís Simão.
Mantém-se, desta forma, o total de 62 casos positivos no surto de covid-19 de Mora.
O presidente da Câmara, que permanece em casa desde quinta-feira por recomendação da Autoridade de Saúde, na sequência de dois testes positivos a trabalhadores do município, destacou, ainda assim “sinais positivos” recebidos nas últimas 24 horas.
“Neste momento, todas as cadeias de contágio estão perfeitamente identificadas e hoje já só foram testadas três pessoas”, referiu.
O surto de Mora, no Alentejo, surgiu no dia 09 deste mês, quando foram confirmados os primeiros três casos positivos na comunidade.
A câmara ativou o Plano Municipal de Emergência e fechou, no início da semana passada, os serviços de atendimento ao público e outros equipamentos, como a Oficina da Criança, a Casa da Cultura, o Centro de Atividades de Tempos Livres e instalações desportivas.
Entretanto, o Ministério Público (MP) instaurou um inquérito sobre este surto de covid-19, sobre o qual a Procuradoria-Geral da República (PGR) disse à Lusa que “não deixarão de ser investigados todos os factos que chegarem ao conhecimento do Ministério Público e que sejam suscetíveis de integrarem a prática de crime”.
Segundo a PGR, o inquérito instaurado tem por objeto “uma situação concreta”, que não especifica, relacionada com o surto em Mora.
O presidente da Câmara de Mora, Luís Simão, disse à Lusa desconhecer a instauração do inquérito por parte do Ministério Público ao surto de covid-19 nesta vila do distrito de Évora, mas exortou ao apuramento de responsabilidades.
“Se abriu [um inquérito] e se houver alguém que se tenha comportado menos bem, que seja responsabilizado e sofra as consequências de um ato que não foi o mais adequado no momento em que vivemos. Se assim foi, que se apurem responsabilidades”, afirmou Luís Simão.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Pedro Trindade Sena
Carregar mais artigos em Covid-19

Veja também

Mais de 70 obras de Almada Negreiros e Maria Keil no Museu da Tapeçaria de Portalegre

Setenta e sete obras produzidas por Almada Negreiros e Maria Keil estão em exposição no Mu…