A escola de aviação Global Flight Scholl abriu portas em Ponte de Sor em 2019, após um investimento de 10 milhões de euros, mas a covid-19 alterou os planos de formação traçados para o projecto.
Os alunos que iniciaram em Novembro do ano passado o curso de pilotos de linha aérea no Aeródromo Municipal de Ponte de Sor eram para ter já iniciado as aulas de voo, mas devido à pandemia as autoridades têm vindo a “adiar” os exames que conduzem a esse patamar.
“Devido a esta situação da pandemia, teve de haver alguns ajustes em termos de datas e estamos a apontar, agora, para Outubro o início de dois novos cursos (com 30 alunos)”, disse hoje à agência Lusa o responsável da Global Flight Scholl (GFS), Nélio Fidalgo.
A GFS iniciou a actividade no aeródromo alentejano em Novembro de 2019, com uma turma de 11 alunos, e actualmente tem também seis formandos oriundos de Approved Training Organisations (ATO) e espera outros seis em Setembro.
Para os dois próximos cursos, com início previsto para Outubro, a GFS espera ter 15 alunos em cada um.
“Sem a pandemia teríamos seguido o nosso objectivo, que eram os 50 alunos por ano na GFS. Teriam sido três turmas em três períodos diferentes: Março, Maio e Setembro”, lembrou.
O objectivo dos 50 alunos por ano, sublinhou Nélio Fidalgo, “tem a ver com a dimensão da escola e da estrutura que pretendemos ter, assim como com o ensino de qualidade que é o nosso principal foco”.
Segundo o mesmo responsável, com o investimento de 10 milhões de euros, a GFS foi a escola que “mais investiu” até hoje no Aeródromo Municipal de Ponte de Sor.
“Acreditamos no projecto de Ponte de Sor e acreditamos que vai ser um dos principais pontos portugueses aeronáuticos, devido à proximidade com Lisboa e às condições da pista, grande, com 1.800 metros”, disse.
Actualmente, com 25 postos de trabalho criados, a GFS espera aumentar a frota e chegar aos 50 postos de trabalho “no espaço de um ano”.
“Se não tivesse sido a pandemia, mantendo os objectivos e a cronologia que tínhamos estipulado, já tínhamos chegado aos 50 colaboradores”, acrescentou.
O representante da GFS espera que, dentro de seis meses a um ano, “no máximo”, a aviação volte a ter os destinos abertos e que o turismo retome a sua actividade, quadro que levará à procura de pilotos.
A formação na GFS é composta por duas fases, com a componente teórica leccionada em Lisboa e as aulas práticas (voos) no Aeródromo Municipal de Ponte de Sor.
Apesar do actual contexto de pandemia que tem afectado a aviação comercial, segundo a GFS, o sector estima que nos próximos 10 anos sejam precisos “500 mil pilotos” de linha aérea.
Além da GFS e de uma outra escola de aviação, o aeródromo alentejano tem sediadas nas suas instalações uma base da Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil (ANEPC), uma unidade de produção de aeronaves não tripuladas, uma fábrica de manutenção e reparação de componentes aviónicos, uma unidade de manutenção de ultraleves e o Aero Club de Portugal com instrução de voo de planadores, entre outras instituições.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Nuno Barraco
Carregar mais artigos em Região

Veja também

Alex traz vento, chuva e descida de temperatura

No seguimento dos critérios de emissão estabelecidos para a nomeação de tempestades da épo…