O Governo anunciou o prolongamento “até ao final de domingo” da declaração de situação de alerta em todos os distritos de Portugal continental, face ao risco de incêndio rural, apelando ao cumprimento da proibição do uso do fogo.“As próximas 48 horas continuam a inspirar cuidado, inspiram atenção, vamos manter alguns distritos em alerta vermelho e também outros em alerta laranja. Fruto disso, a decisão foi de prolongar a declaração de situação de alerta a todo território nacional [continental] até ao final do dia de domingo”, afirmou a secretária de Estado da Administração Interna.Patrícia Gaspar falava no final de uma reunião do Centro de Coordenação Operacional Nacional (CCON), que decorreu na sede da Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil (ANEPC), em Carnaxide, Oeiras, distrito de Lisboa.De acordo com o comandante operacional nacional de Emergência e Protecção Civil, Duarte Costa, estarão em estado especial de alerta vermelho, o mais grave da escala utilizada pela Protecção Civil, os distritos de Vila Real e de Bragança.Passam a estado de alerta laranja (o segundo nível mais grave) os distritos de Viseu, Guarda e Castelo Branco, e os restantes distritos do continente estarão em estado de alerta especial amarelo (terceiro nível).Patrícia Gaspar salientou que este mês de Julho tem sido o mais quente desde 1931, com índices de severidade meteorológica bastante elevados e que motivaram parte dos alertas das últimas das últimas semanas. “No quadro destes alertas destacava também que temos já a registar mais de 1.700 ocorrências, sendo que grande parte delas se concentra nos distritos do Norte e, portanto, isto é uma situação absolutamente preocupante que temos de tentar inverter”, salientou. Quinta-feira foi, segundo a governante, “um dos dias mais difíceis deste ano, com cerca de 140 fogos”, dos quais se destacaram “cinco incêndios complexos”, hoje debelados, que no total envolveram mais de seis mil operacionais e cerca de 140 missões com meios aéreos”.De acordo com Duarte Costa, até hoje há a lamentar as mortes – ligadas a uma ocorrência – de quatro bombeiros, “em situações completamente diferentes”, e cerca de duas dezenas de operacionais com ferimentos, desde necessidade de assistência até feridos com alguma gravidade.O que está em estado mais grave nesta altura é um bombeiro voluntário de Cuba, no Alentejo, que no entanto tem evoluído muito satisfatoriamente e estará livre de perigo, destacou.“Não há um padrão efectivo relativamente àquilo que se tem passado”, disse, salientando, contudo, que as operações são complicadas, levando a um stress elevado dos operacionais, “que tentam fazer cada vez mais e mais depressa”.“Apelo a todos os operacionais que estão no âmbito do sistema de protecção civil, a todos os agentes de protecção civil, para que na utilização daquilo que são os seus meios de transporte façam as suas deslocações para o teatro de operações com calma e respeitando os limites de segurança”, destacou.Na quarta-feira, o Governo anunciou que Portugal continental entraria em situação de alerta a partir das 00:00 de quinta-feira e até às 23:59 de sexta-feira, face à previsão de “um significativo agravamento do risco de incêndio rural”.Em comunicado, o Ministério da Administração Interna (MAI) justificava a decisão com as previsões meteorológicas de um significativo agravamento do risco de incêndio rural.Em situação de alerta é proibida a realização de queimadas e o uso de fogo de artifício ou de outros artefactos pirotécnicos, e são proibidos o acesso, a circulação e a permanência em espaços florestais “previamente definidos nos Planos Municipais de Defesa da Floresta Contra Incêndios”.Também não são permitidos trabalhos florestais e rurais com equipamentos eléctricos em espaços, como motorroçadoras, corta-matos, destroçadores e máquinas com lâminas ou pá frontal.São permitidas, no entanto, alimentação de animais, execução de podas, regas, extracção de cortiça e mel e colheitas de culturas agrícolas, desde que “sejam de carácter essencial e inadiável”, em zonas de regadio, sem materiais inflamáveis e fora de floresta e mata. São permitidos ainda trabalhos de construção civil, “desde que inadiáveis e que sejam adoptadas as adequadas medidas de mitigação de risco de incêndio rural”.
RCS/SSM (MYCA) // ROCLusa

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em País

Veja também

Antigo autarca de Vila Viçosa eleito pelo PS declara apoio ao Chega

O antigo autarca de Vila Viçosa Luís Caldeirinha Roma, eleito como independente pelo PS, d…