A Proteção Civil de Moura (Beja) decidiu prolongar por mais 15 dias a suspensão de visitas aos utentes dos lares do concelho, onde há 46 casos ativos de covid-19 e um morto, informou hoje o município.A medida preventiva foi decidida após análise, com as instituições particulares de solidariedade social (IPSS), da evolução do número de casos de infeção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 na região do Alentejo e em especial no concelho de Moura, refere um comunicado divulgado hoje pela câmara.A decisão, segundo a autarquia, pretende “salvaguardar a segurança e saúde da população mais vulnerável” à covid-19.”Após o término deste novo período de suspensão, a situação epidemiológica será reavaliada por forma a serem adotadas as medidas que se entendam mais adequadas no tocante à retoma das habituais visitas aos utentes das IPSS”, lê-se no comunicado.As visitas aos utentes dos lares de Moura estão suspensas desde o dia 06 de julho.Neste concelho alentejano, há um surto de covid-19 na aldeia de Póvoa de S. Miguel, onde na passada sexta-feira foi registada a primeira vítima mortal, um homem de 85 anos.O idoso morreu na sua residência, sendo o primeiro óbito por covid-19 registado no concelho de Moura.O coordenador do Serviço Municipal de Proteção Civil, Diogo Saraiva, disse hoje à agência Lusa que neste concelho do Baixo Alentejo permaneciam ativos, no sábado, 46 casos de covid-19, 30 dos quais na Póvoa de São Miguel, 10 em Amareleja e seis em Moura.No hospital de Beja continuam internadas três pessoas, duas delas de Amareleja e uma relacionada com o surto na Póvoa de São Miguel.Os primeiros quatro casos positivos na Póvoa de São Miguel foram detetados há mais de duas semanas, mas os testes depois realizados elevaram para 31 o total de infetados na aldeia, número que desceu para 30, após o primeiro óbito.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Covid-19

Veja também

ARS do Alentejo admite instalar contentores para reabrir extensões de Saúde

O presidente da Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo admitiu recorrer à insta…