As decisões tomadas pela população da freguesia de Aldeia Velha, em Avis, reunida em reunião plenária realizada no dia 08 de Julho para avaliar a falta continuada do médico e enfermeiro, traduziram-se na solicitação de um pedido de reunião à ULSNA-Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano e, caso não houvesse resposta ou disponibilidade para receber a Junta de Freguesia, decidiu-se elaborar um abaixo assinado, dirigido aos órgãos do poder para lhe dar conhecimento da situação existente e reclamar a sua intervenção na resolução do problema. O abaixo assinado foi efectuado e recolheram-se 219 assinaturas.Foi entretanto agendada pela ULSNA, por solicitação da Junta de Freguesia, uma reunião que teve lugar, ontem, dia 11.Na reunião estiveram presentes o Presidente do Conselho de Administração da ULSNA, João Moura Reis e o médico João Adélio, responsável do Centro de Saúde de Avis. Por parte da Junta de Freguesia participaram o presidente António José Carreiras e o secretário Ambrósio Silvano.
Aos representantes da ULSNA e Centro de Saúde, afirma a Junta de freguesia em comunicado, “relatámos a situação vivida, as preocupações existentes e reclamámos para a população da freguesia:1- Uma maior presença dos técnicos de saúde, médico e enfermeiro, na freguesia traduzida em dois dias por semana;2- A comunicação, por parte do Centro de Saúde à Junta de Freguesia, informando sempre que o médico ou enfermeiro não possam vir à freguesia, para que possamos informar os doentes dessa ausência e evitar que estejam à sua espera;Face às questões por nós colocadas foi assumido pelos Senhores Presidente do Conselho de Administração da ULSNA e Responsável do Centro de Saúde: 1- Que a situação do médico estava regularizada realizando um deslocação semanal, como acontecia no passado. Contudo haveria disponibilidade para vir duas vezes por semana à freguesia, se o número de doentes para consulta o justificasse;2- Sempre que o médico, Dr. Joaquim, não pudesse vir viria outro em sua substituição;3- No que respeita ao enfermeiro estão a ser criadas e haverá condições para passar a vir duas vezes por semana.
Em resultado dos compromissos assumidos não deve a população deixar de ir às consultas à Casa do Povo, quando de tal precisar, como forma de aumentar o número de utentes, e assim criar condições à vinda do médico duas vezes por semana. Se assim não acontecer, e o número até baixar, corre-se o risco de o médico deixar de vir à freguesia assim como o enfermeiro.Tendo em conta os compromissos acima referidos a Junta de Freguesia irá estar atenta ao seu cumprimento, apelando à população que transmita toda e qualquer situação que não esteja de acordo com o que aqui informamos para que, de imediato, exijamos à ULSNA o que foi acordado.Por último referir que a luta da população não foi em vão. Isso só comprova que sempre que se lute e se exija aquilo a que temos direito, normalmente ganhamos sempre. E assim terá de continuar a ser. Por isso a Junta de Freguesia apela à disponibilidade e mobilização da população para, se necessário, aderirem a outras formas de luta caso se verifique incumprimento por parte da ULSNA dos compromissos que assumiu”, remata a missiva endereçada à comunicação social.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Região

Veja também

Nova empresa luso-brasileira lançada em Évora para “revolucionar” agrofloresta

O CEiiA - Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto e a brasileira ELIO “uniram-se…