No período de 28 de Junho até dia 1 de Setembro, a Guarda Nacional Republicana (GNR) intensificou as acções de patrulhamento, fiscalização e apoio aos utentes das vias rodoviárias, com o objectivo de garantir a sua segurança durante os deslocamentos, de, e para os locais de veraneio e eventos de diversa natureza, próprios desta altura do ano.Durante a operação, a GNR privilegiou uma actuação preventiva nos principais eixos rodoviários, orientando o esforço para as vias mais críticas da sua zona de acção, estando especialmente atenta aos comportamentos de risco potenciadores da ocorrência de acidentes, com o objectivo de combater a sinistralidade rodoviária, garantir a fluidez do tráfego e apoiar todos os utentes das vias, proporcionando-lhes uma deslocação em segurança.Durante o período em que decorreu esta operação, a GNR levou a cabo várias acções específicas para a prevenção da sinistralidade, designadamente: “Operação Moto” (visou a fiscalização de motociclos e ciclomotores); “Operação Viajar Sem Pressa” (visou o controlo da velocidade); “Operação Passageiros em Segurança” (visou fiscalização de veículos pesados de passageiros e veículos afectos ao transporte colectivo de crianças) e “Operação Taxa Zero” (visou a fiscalização da condução sob o efeito de álcool). A GNR, para além de ter realização acções conjuntas nas fronteiras terrestres, ainda projectou militares para acções no Reino de Espanha e em França, em cooperação internacional com a Guardia Civil e da Gendarmerie francesa, para apoiar os nossos emigrantes que se deslocaram de e para Portugal.Assim, durante o período da operação foram fiscalizados mais de 266 mil condutores, tendo sido registados 5 067 excessos de álcool, dos quais 1 849 foram detidos por conduzirem com uma taxa crime igual ou superior a 1,2 gramas por litro (g/l), aos quais se acrescentam 864 detidos por falta de habilitação legal para conduzir.
Ainda no decorrer da operação foram detectadas cerca de 103 mil contra-ordenações rodoviárias, das quais se destacam:
§ 31 913 por excesso de velocidade;
§ 4 867 por falta de inspecção periódica obrigatória;
§ 4 387 por anomalias nos sistemas de iluminação e/ou sinalização;
§ 3 434 por falta ou incorrecta utilização do cinto de segurança e/ou sistema de retenção para crianças;
§ 2 980 por uso indevido do telemóvel no exercício da condução;
§ 2 323 por falta de seguro de responsabilidade civil obrigatório;
§ 240 por falta ou incorrecta utilização do capacete.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em País

Veja também

Aumenta para 31 número de infetados em surto no hospital de Beja

O número de profissionais de saúde infectados no surto de covid-19 identificado no bloco o…