Nos círculos eleitorais da Europa e Fora da Europa, a coligação PàF conquistou três deputados e o PS. No círculo Fora da Europa, os dois lugares em disputa foram conquistados pela coligação de direita. Na Europa, a coligação PàF e o PS partilham os dois deputados , mas a lista conjunta PSD/CDS foi a mais votada, alcançando o melhor resultado desde 1991.

 

A contagem dos votos destes dois círculos eleitorais decorreu hoje em Lisboa. Foram eleitos Carlos Alberto Gonçalves, José Cesário e Carlos Páscoa Gonçalves (PSD) e Paulo Pisco (PS).?

Distribuição dos 230 deputados por partido político: PSD – 89; PS – 86; BE – 19; PP – 18; PCP – 17, PAN -1 .

O partido Nós, Cidadãos! admitiu impugnar o acto eleitoral devido a atrasos no envio dos boletins de voto e erros nas moradas dos eleitores nestes círculos eleitorais. 

Passos recusa ser refém

Semana e meia depois do acto eleitoral, o líder do PSD diz que não aceita que o País “fique refém” e recorda que foi a coligação PàF que saiu vitoriosa nas Legislativas.

Passos Coelho falou de “chantagem política” por parte dos partidos à esquerda e de um jogo que, no seu entender, “inverte ou perverte” o resultado das eleições de 4 de Outubro.

«Talvez seja altura de pôr um ponto final naquilo que o país tem vindo a assistir de forma atónita. Dá a impressão que o PS ganhou as eleições e está a fazer diligências para formar Governo» – Passos Coelho

Recusando “virar do avesso” os resultados eleitorais ou governar com o programa dos socialistas, Passos Coelho lamenta que tenham resultado infrutíferas as duas reuniões com o PS e garante que António Costa não deu qualquer contributo para um entendimento.

O secretário-geral do Partido Socialista (PS) aponta para a forte possibilidade de um governo PS apoiado por BE e PCP, com garantias de respeito pelos compromissos internacionais.

Costa recusa bluff

À esquerda, o secretário-geral do PS redobrou-se em entrevistas. Ao Financial Times, Costa garantiu que não está a fazer “bluff” e admitiu que as negociações com BE e PCP estão mais avançadas do que com PSD e PP.

António Costa considerou, inclusivamente, que seria melhor para o país um governo do PS, viabilizado à esquerda.

«O PS é o partido mais pró-europeu em Portugal (…) perante o radicalismo do actual governo e as brutais medidas que o país sofreu, existe agora a possibilidade de fazer recuar a austeridade sem colocar em causa as nossas obrigações internacionais» – António Costa

A resposta a Passos Coelho ficou, contudo, a cargo de Carlos César, presidente do PS, que realçou as regras exigidas para governar em minoria e o facto de a coligação não ter dado resposta às expectativas socialistas.

O PS defende que há possibilidade de afastar austeridade, sem pôr em causa as obrigações internacionais do país.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Actual

Veja também

Encontrada com vida mulher desaparecida na sexta-feira em Ponte de Sor

A mulher de 75 anos que estava desaparecida desde sexta-feira à tarde no concelho de Ponte…