Mais de 500 bombeiros, com o apoio de meios aéreos e terrestres, dominaram durante uma madrugada sem vento o incêndio que destruiu, desde quinta-feira, mais de 6 500 hectares de floresta na Serra da Gata, província de Cáceres, Extremadura. Os habitantes das quatro localidades evacuadas estão de regresso a casa.

Neste incêndio, a Autoridade Nacional de Proteção Civil enviou para Espanha uma Força Operacional Conjunta composta por um total de 104 elementos e 32 veículos, dos Corpos de Bombeiros dos distritos de Castelo Branco, Lisboa, Portalegre e Santarém.

No maior fogo florestal da região, o dia de sábado foi particularmente difícil para os bombeiros. Estradas cortadas, habitações destruídas, populações desalojadas e um fogo descontrolado, devido ao vento forte, obrigaram as autoridades da Extremadura a solicitar reforços das comunidades vizinhas (Andaluzia, Castilha e Leão e Castilha La Mancha) e de Portugal.

A causa do incêndio ainda não foi apurada, mas admite-se que tenha origem criminosa. “Quando um fogo se concentra numa área muito específica é porque houve alguma intervenção humana porque não é mais quente e seco na Sierra de Gata que no resto da Extremadura”, disse o chefe do governo regional, Guillermo Fernández Vara, citado pela imprensa espanhola.

Foto: © www.hoy.es

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Actual

Veja também

GNR fiscaliza regras de prevenção da covid-19 e faz “algumas” identificações na Convenção do Chega

A GNR identificou hoje "algumas" pessoas que participam na II Convenção Nacional do Chega,…