A situação da saúde no Distrito de Portalegre merece “profunda preocupação” e uma “nova estratégia política para ultrapassar os constrangimentos”, num cenário de dificuldade de acesso da população aos cuidados de saúde”.

A conclusão é dos deputados socialistas que integraram uma delegação da Comissão Parlamentar de Saúde que durante dois dias visitou diversos serviços – Centro de Saúde de Alter do Chão, Hospital Dr. José Maria Grande e Hospital de Santa Luzia de Elvas – e manteve reuniões com responsáveis da Administração Regional de Saúde do Alentejo, Unidade Local de Saúde do Norte-Alentejano, Câmaras Municipais, Ordem dos Médicos, Ordem dos Enfermeiros e sindicatos.

Sandra Cardoso, deputada eleita pelo círculo de Portalegre, aponta como causas as opções políticas deste Governo, a ausência de reformas, os quatro anos de austeridade e os sucessivos cortes degradaram a resposta dos serviços de saúde no Distrito.

No comunicado divulgado pelo Grupo Parlamentar do PS é referido que “a falta de recursos humanos é um factor de enorme inquietação, principalmente médicos, enfermeiros, assistentes operacionais e técnicos”. Consideram os socialistas que “no que respeita aos recursos médicos, a situação é dramática e, nalguns casos, absolutamente insustentável”.

Também o encerramento do Laboratório de Saúde Pública em Portalegre mereceu nota negativa dos socialistas: “O governo promove o encerramento de mais um serviço público em Portalegre e ataca, sem qualquer fundamento, a saúde pública do distrito, que deixa de contar com os serviços de uma entidade oficial, de referência e credível que assegura a qualidade da água para consumo humano, assim como das piscinas e zonas balneares.”

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Uncategorized

Veja também

Liga dos bombeiros lamenta que INEM anuncie meios que já existem nas corporações

A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) lamentou hoje que o INEM tenha anunciado o reforço …