“Lá Fora”, um festival de artes performativas promovido pela Fundação Eugénio de Almeida, anima Évora nos dias 11,12 e 13 de Junho. Os espaços patrimoniais e históricos do Páteo de São Miguel e Fórum Eugénio de Almeida serão palcos para sete espetáculos de música, dança e performance.

A voz cativante de Salvador Sobral e o piano magistral de Júlio Resende, nomes sonantes do piano e do novo Fado em Portugal, marcam o início da segunda edição do festival – dia 11, pelas 21:30, no Páteo de São Miguel. A organização refere que se trata de um concerto intimista, que fará uma viagem pelas principais influências destes dois músicos que têm no jazz o seu ponto de partida.

O dia seguinte ficará marcado pela dança fascinante do coreógrafo Marco da Silva Ferreira. Nesta coreografia, os intérpretes elevam-se a uma atmosfera paralela ao real, numa reflecção imaginária em torno do “movimento humano urbano” e da sua condição vital. A noite continua com os Tape Junk, uma banda rock com um vocabulário apreendido a partir de referências como Pavement, Giant Sand, Stooges, Rolling Stones ou Velvet Underground. Com uma linguagem simples e, igualmente intensa, João Correia escreve sobre situações do quotidiano com as quais facilmente nos identificamos.

No sábado, às 19:00, no Pátio de honra do Fórum Eugénio de Almeida, João Paulo Santos, acrobata, e Rui Horta, coreógrafo, apresentam “Contigo”, um espetáculo performance que junta as influências de ambos e que lida com as diferentes perceções que têm sobre os seus corpos e objetos. Num palco vazio, com alguns objetos, uma vara chinesa e um corpo, João Santos expressa a sua raiva e o domínio das técnicas entre o céu e a terra, mas também a exaustão e a sua solidão. Ao entardecer, pelas 19:45, no jardim do Paço de São Miguel, Pedro Cardoso (Peixe), antigo guitarrista da banda Ornatos Violeta, apresenta alguns dos temas mais recentes do seu trabalho discográfico, num concerto de guitarra intimista. Nessa mesma noite, no Páteo de São Miguel, dois concertos encerram o festival – Time for T, grupo musical constituído por elementos de diversas nacionalidades, cuja mistura de culturas e influências definem o tom eclético e original da banda, e Banda do Mar, trio sensação do momento que interpretará temas do seu álbum de estreia.

O festival é promovido pela Fundação Eugénio de Almeida, com produção O Espaço do Tempo e direção artística de Rui Horta.

Foto: Jerónimo Heitor Coelho | © Fundação Eugénio de Almeida, 2013

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Uncategorized

Veja também

Lisboa: DRCAlentejo inaugura exposição “Covid@Alentejo, olhares”

“Covid@Alentejo, olhares” é um projeto que resulta do convite dirigido pela DRCAlentejo ao…